sexta-feira, 3 de junho de 2011

A HISTÓRIA DE UM CÃO MUITO ESPECIAL.


Recentemente tenho publicado várias histórias de adoção neste blog e outro dia estava recordando de uma história fantástica, de um cão labrador, chamado Zulu, que morava numa casa vizinha a de meu pai. 

Tive oportunidade de conhecer a sua tutora, Vivian, e estive com Zulu algumas vezes. Era um cão adorável e feliz. Outro dia eu e Cristiane (casada comigo) encontramos Vivian num shopping e fiquei pensando em pedir o seu depoimento sobre Zulu, mas fiquei na dúvida se ela já havia me cedido um depoimento na época em que eu buscava conteúdo para o futuro site da ONG Amimais, da qual fiz já fiz parte, bem lá no início. Sei que acabei não tocando no assunto, mas fuçando na internet consegui resgatar dois textos que contam essa bela história, que merece ser contada.

Zulu é um exemplo não só para os nossos amigos caninos, ele é uma lição de vida para todos nós. 


A HISTÓRIA DE ZULU FOFINHO

Por Vivian Marassi*

Lembro-me como se fosse hoje o dia em que recebi um e-mail da SOZED (Sociedade Zoófila Educativa), que me tocou profundamente, pois pedia ajuda financeira para a cirurgia de um cãozinho que havia sido atropelado e estava com a coluna fraturada. Fiquei emocionada, pois segundo relatava o e-mail, o cãozinho tinha ficado muitas horas jogado na rua após ter sido atropelado, sem que ninguém o socorresse.  Apenas à noite é que uma alma caridosa resolveu ajudá-lo - esse anjo era uma voluntária da SOZED, Jacqueline, que chamou a presidente da instituição, Maria, para juntas fazerem o resgate. A essa altura, os dentinhos daquele cãozinho já estavam pretos por causa da fuligem da rua, mostrando que ele já estava ali agonizando havia muitas horas. Zulu Fofinho.

Dois dias depois, recebi um novo e-mail da SOZED avisando que a cirurgia havia sido um sucesso, mas que, infelizmente, o Zulu nunca mais voltaria a andar. Anexado ao e-mail veio uma foto dele, deitado em um cobertorzinho, de fralda, brincando com um bonequinho do Flamengo. Foi paixão à primeira vista e, a partir daí, movi mundos e fundos para adotá-lo!


Assim que ele se recuperou da cirurgia, acertamos que ele viria do RJ para Natal de avião. Em junho de 2004, finalmente chegou o dia do grande encontro! Eu e meu marido fomos buscá-lo no aeroporto. Ele saiu da caixa de transporte se arrastando, estava faminto e com muita sede. Chorei ao abrir a sua malinha: ali estava o bonequinho do Flamengo, seus remedinhos e um vidrinho com o seu perfume. Os funcionários da VASP perguntaram se a paralisia era efeito de algum sedativo aplicado antes da viagem... ficaram muito emocionados quando dissemos que não, que ele era mesmo paraplégico. Logo juntou gente à sua volta e recebemos ajuda de todo tipo: um arranjou um copo com água, outro arrumou um plástico para que ele não sujasse o carro, outros ajudaram a guardar a caixa de transporte na mala do carro...

Ele nos ensina que não importa se você é branco ou negro, se tem ou não deficiência física, se é judeu, católico ou árabe, se é pobre ou rico, enfim... o que importa é a essência, o que está no seu coração. Ele nos ensina também que não importa quão grandes sejam as dificuldades que temos na nossa vida, pois sempre podemos superá-las para sermos felizes. Enfim, a música que mais combina com o Zu é aquela do Balão Mágico que diz: "Mas se é amigo, não precisa mudar"! ( www.videolog.tv/zulu ) Agradeço à SOZED por nos ter permitido adotar esse anjinho que mudou as nossas vidas para sempre!


* O texto acima foi publicado no http://www.slideshare.net/sozed/divulgao-da-sozed


video
       Vídeo de Zulu na praia


MAS SE É AMIGO, NÃO PRECISA MUDAR **


20/01/08

Por Vivian Marassi

Amigos, não sei nem como dar essa notícia tão inesperada e dolorosa... Agora de manhã o nosso querido Zulu atravessou a ponte do arco-íris. Não sabemos o que houve e ainda estamos muito atordoados, foi muito inesperada essa partida dele, já que ele estava tão bem. Ele continuava com aquele problema da possível necrose dos ossos da coluna, mas a ferida estava praticamente fechada e tínhamos marcado para o dia 14/02 a cirurgia dele com o Dr. Ragnar, em Petrópolis.

Ontem cheguei a ir à TAM para trocar as milhagens pela passagem do meu pai, que iria acompanhá-lo durante a estada em Petrópolis, mas não deu certo porque os funcionários estavam trabalhando somente na Megapromo, não estavam trocando milhagens. Fiquei de voltar lá amanhã. Também me programei para escrever no flog nessa semana, pedindo indicações de pousadas em Petrópolis... Enfim, estava tudo muito bem e tínhamos toda a esperança do mundo de que ele ficaria curado. Aí vem essa notícia terrível...

O meu pai acordou cedo e escutou o Zu andando no quintal, como fazia todas as manhãs. Ele se vestiu, desceu e foi direto ver o Zu (ele cuidava do negão antes de qualquer coisa, deixava para tomar café depois disso). Viu o Zu dormindo no corredor, no lugar onde ele sempre dormia. Começou a mexer com ele, já que o Zu sempre corria para a porta ao menor sinal de barulho feito pelo meu pai. A essa altura, meu pai acreditou que ele estivesse dormindo profundamente, então resolveu tocar nele. Só então ele percebeu que havia algo errado e que o Zu havia falecido. A gente acredita que ele faleceu logo após o meu pai acordar, tanto que ainda estava bem quentinho. Meu pai logo ligou para mim e eu corri para lá. Ele ainda não acreditava que o Zu tivesse ido mesmo embora, a todo instante voltava ao corredor para conferir se ele havia voltado a respirar, mas o corpinho dele foi enrijecendo e tivemos a certeza da sua partida.

Acredito que ele tenha tido um problema cardíaco, apesar da gravidade do seu problema na coluna. Acho que, se tivesse partido em decorrência desse problema, teria sofrido por alguns dias, teria soltado pelo menos um gemido, mas nada disso aconteceu. Ele simplesmente dormiu... Certamente foi uma linda passagem para ele, pois não houve sofrimento, não houve dor. Até ontem ele estava levando uma vida absolutamente normal, demonstrando aquela felicidade que era a sua marca registrada. E hoje partiu assim, tão de repente...

Tenho certeza de que São Francisco veio buscá-lo pessoalmente. Certeza absoluta. O Zu foi um grande vencedor, o guerreiro mais corajoso que conheci em toda a minha vida. Nenhum problema foi capaz de roubar sua felicidade. Por ter passado por essa vida de forma tão serena e feliz, apesar de todas as adversidades, tenho certeza de que São Francisco esteve com ele nos momentos finais de sua estada aqui na Terra. Não consigo ver outra explicação para essa passagem tão serena, sem dor ou tristeza (para ele, porque para a gente está doendo bastante).

Agradeço a todos os amigos que estiveram do nosso lado durante todos esses anos, os amigos que conhecemos em 2004, quando o adotamos, e os amigos que fomos conhecendo no decorrer desses anos. Agradeço por tudo: cada palavra carinhosa, cada gesto de amizade, tudo.

Agradeço também ao meu pai, por ter cuidado tão bem do Zu. Como disse para ele hoje de manhã, se não fossem seus cuidados intensivos, o Zu já teria partido há muito tempo.

Ele cuidava do nosso negão em tempo integral, com dedicação exclusiva. Sem contar com as invenções para melhorar a vida do Zu (cadeiras de roda, fisioterapia na praia etc).

Enterramos o nosso amiguinho ao meio-dia em um cemitério muito bonito, no estilo "Jardim da Saudade", com plaquinhas indicando os nomes dos cachorrinhos e gatinhos que repousam ali. Cheguei a tirar fotos do local com o celular e até pensei em ilustrar essa despedida com a imagem do local onde o Zu descansa agora, mas achei melhor encerrar nosso flog com essa imagem linda de São Francisco, meu padrinho, padrinho do Zu, que agora com certeza está cuidando do nosso negão. Posso vê-lo correndo por esse jardim com suas quatro patinhas, feliz como sempre.

Quem quiser falar comigo, continuarei mantendo a comunidade "Eu amo o Zulu Fofinho", criada pela amiga Rose Picardt. Não mexerei mais no flog, mas ele ficará aqui, com todas as fotos do Zuzinho, para que a gente possa matar a saudade sempre que quiser.

Peço que, por favor, orem pelo meu pai para que ele possa superar essa imensa dor. O Zu era a companhia dele e tem sido muito, mas muito difícil.

Fiquem com Deus e até breve.


** Texto publicado no http://www.fotolog.com.br/zulu_fofinho/10682225

9 comentários:

  1. A história dele é incrível...

    ResponderExcluir
  2. História linda de amor!!!
    Shirley

    ResponderExcluir
  3. Um cao tão lindo...dá pra ver que era um doce!

    ResponderExcluir
  4. História lindíssima.
    Não segurei a emoção e acabei chorando.

    ResponderExcluir
  5. Como posso mandar uma foto de Tobby, adotado na feira de animais de Natal?

    ResponderExcluir
  6. Pode sim, Eleonora, eu te agradeço. Mande para bichinhosprecisamdelar@gmail.com Abraços, tudo de bom.

    ResponderExcluir
  7. Impossível não se emocionar com algo assim... certamente, Jesus o levou em paz, pois todos os bichinhos são criaturas muito amadas de Deus.
    Exemplo de vida para todos nós...

    ResponderExcluir
  8. Parabéns a todos que estavam envolvidos com a história do Zulu e, principalmente, para ele que resistiu tão bravamente, depois de tudo que sofreu para nos deixar uma história de força e coragem.

    ResponderExcluir
  9. Estou em lágrimas, que Deus te abençoes sempre, as vezes fico saturada de ler notícias tristes de animais, mas essa tem um teor triste e muito feliz pelo sentimento postado em palavras.
    Muito obrigada por compartilhar.
    Atenciosamente,
    Carla

    ResponderExcluir

SEU COMENTÁRIO É IMPORTANTE PARA NÓS